domingo, 19 de fevereiro de 2012

Era reunir todas as matrafonas e atear-lhes fogo

Domingo Gordo, prestes a entrar no "contagiante" ambiente carnavalesco português. O que me irrita nem é tanto as hordas de miúdas escanzeladas, de tez pálida, a sambar pelas ruas de cimento frio das cidades. Tão pouco o pagode, esse ritmo tão lusitano que entoa um pouco por cada distrito. O que me me faz espécie são os grupos de homens que assaltam os closets das mulheres e vestem-se de matrafonas. "Estou o ano inteiro à espera do Carnaval", ouvi dizer uma matrafona de Torres Vedras na TVI. Sim, porque é Carnaval e ninguém leva a mal. As matrafonas são capazes de ser o símbolo máximo do Carnaval português. Um símbolo muito curioso num país onde o casamento entre pessoas do mesmo sexo é legal mas onde os comentários e acções homofóbicas proliferam. Então como é possível no Carnaval, num país tão retrógrado, tão pouco tolerante, os homens brincarem com a troca de identidades, de género e orientações sexuais? Além disso, como se considera divertido ver homens a exagerarem e a gozarem com o papel da mulher, representando-a como a "cabra", a "ordinária", a "prostituta" e "badalhoca"? Convenhamos, nenhuma matrafona faz jus à mulher. Muito pelo contrário: denigre-a. Mas é Carnaval e ninguém leva a mal. Além disso, o disfarce de mulher também abre uma porta ao proibido. Mascarados, os Homens - com 'H' maiúsculo - entram nas brincadeiras típicas do Carnaval e aproveitam para fazer o que normalmente seria reprovado pelos pares machistas. É ver matrafonas a apalparem outros homens, a simularem actos sexuais, a brincarem uns com os outros. Livres de culpa, livres de preconceito. Mas apenas durante quatro dias por ano. Os restantes dias são passados a beber bejecas, a coçar os tomates, escrever barbaridades em fóruns públicos e a reprimir fantasias ocultas. Mas é Carnaval... e ninguém leva a mal!

15 comentários:

  1. Bebe lá mais uma bejeca ou jola que isso passa

    ;)

    Abraço

    ResponderEliminar
  2. Fazem mais bichisses e de uma forma bastante "natural", do que a maior parte dos homossexuais; aliás a maior parte dos homossexuais que conheço até são bastante contidos na sua maneira de ser...
    Por isso eu continuo na minha: não ponho as mãos no lume por ninguém, que ainda me queimo...

    ResponderEliminar
  3. Por esses e outros motivos que detesto carnaval, independente da localidade...
    Forte abraço!

    ResponderEliminar
  4. Como se costuma dizer "e tudo come, tudo come, tudo passa"

    ResponderEliminar
  5. Não ligo NADA ao Carnaval. Em criança, adorava fantasiar-me e gostava também de todo aquele ambiente carnavalesco. Hoje em dia, são dias iguais aos restantes e confesso mesmo que até me causa alguma confusão. Afinal, qual é o fundamento do Carnaval? --'
    Em relação às "matrafonas" (nem sabia que era assim que se designavam os homens que se mascaram de mulheres!), não me dizem nada! É todo um preconceito, uma hipocrisia, como referiste, que nem me merece qualquer comentário...
    Deixá-los serem felizes... Deixassem eles os outros também o serem!

    ResponderEliminar
  6. Adorei o post e acho que acertaste na mouche. Na realidade são uma data de reprimidos que têm que ter um escape qualquer e esse momento é o Carnaval! Já têm a desculpa porque tanto procuravam, tão simples como isso.
    Pena que tenham tão poucos dias por ano para dar azo às suas fantasias...podiam ser bem mais felizes.

    ResponderEliminar
  7. Acho que há alguns disfarces com bom gosto, inclusivamente aquele que eu uso, cof cof... Mas as matrafonas não fazem nada o meu género.

    ResponderEliminar
  8. Concordo absolutamente ! Por isso é que para mim o Carnaval é irritante.
    Abraço

    ResponderEliminar
  9. Eu tb não morro de amores pelas matrafonas...e alguns homens ficam mesmo ridiculos ehehe, mas como é Carnaval...

    ResponderEliminar
  10. Realmente só este ano reparei na quantidade de homens que se vestem de mulheres nesta época...
    Pessoalmente gosto muito do Carnaval mas nunca me apeteceu mascarar-me de mulher, quanto aos que o fazem de facto concordo com o que disseste.
    Abraços

    ResponderEliminar
  11. Eles não estão a fazer jus à mulher, estão a libertar a mulher que há dentro deles. E é aquela.
    É como os travestis. Não gosto. Homem é homem, mulher é mulher.

    ResponderEliminar
  12. Acredite, no Brasil a contradição não é nem um pouco menor. Muita gente adora e espera avidamente pelos dias, mas existem os que o odeiam na mesma proporção justamente por essa falsa felicidade e liberdade que ele trás.

    Mas não deixa de ser uma loucura de qualquer forma hahaha

    Beijo speedy!

    ResponderEliminar
  13. gosto muito dos meus leitores. Pensam da mesma maneira que eu ahah

    ResponderEliminar