segunda-feira, 20 de abril de 2015

Este blog parece um muro das lamentações

Houve um baptizado na família, de uma prima qualquer em segundo grau. Daquelas que nem conheço o segundo nome. A minha família não foi convidada e nem saberíamos se não fosse o famigerado Facebook. Eu não me toquei. A minha irmã mais nova perdeu o sono. Aparentemente a caçula, nos seus 27 anos, já está a passar uma crise existencial. Sente o afastamento da família, a falta de laços. Teme o futuro e "quem irá ao meu funeral?". Suporta todo o peso da mortalidade que se ganha à medida que envelhecemos. Um pouco tola. Mas reconheço que tem alguma razão. 
Somos peculiares. Talvez por sermos quatro irmãos, a necessidade de estreitar laços com a restante família foi quase sempre inexistente. Agora, em adultos, é nula. Acho que a prima-em-segundo-grau-raio-que-a-parta-pode-ir-morrer-longe foi apenas um pretexto para ela lamentar o próprio afastamento da família base. Dos irmãos e a incerteza do futuro, quando já não existirem pais para realizarem jantares. Sim, a solução é fácil. Mas odeio cozinhar para muita gente.

6 comentários:

  1. pois quando eu comecei a ver no facebook festas dessas de familiares todos muito felizes e nem um telefonema recebi, saí da rede. claro que podia escolher o feeds, mas também já estava farta da coisa. e o que não sei, não me mói. a ignorância é uma bênção :-P

    ResponderEliminar
  2. achei otima sua conclusão.... a solução é facil mas odeio cozinhar para muita gente! rsrsrsr
    eu., como adoro cozinhar para muita gente, esotu com isto resolvido! rsrsr

    ResponderEliminar
  3. É triste partilhar e não convidar :(

    ResponderEliminar
  4. nunca pensei nisto... quem será que irá a meu funeral?

    ResponderEliminar